,

Terrores Noturnos - Consultório Psicologia

sexta-feira, novembro 08, 2013

Episódios de Terrores Noturnos.




Os terrores noturnos não são pesadelos. Nos pesadelos as crianças acordam assustadas, com medo e muitas vezes recordam-se do enredo do sonho e/ou das imagens.



Nos terrores noturnos não existe um enredo como nos pesadelos e normalmente a criança não acorda totalmente, o episódio passa (costuma ter a duração de 1 a 10 minutos) e não tem memória do mesmo na manhã seguinte.

Os terrores noturnos são episódios que alguns Pais conhecem e que lhes causa muita ansiedade e frustração porque as manifestações são intensas por um lado e nada parece sossegar e acalmar a criança por outro.

Num episódio de terror noturno, a criança tem uma autêntica manifestação de terror como se estivesse num grande sofrimento, chora, grita, senta-se na cama e mostra sinais de ansiedade como respiração ofegante e rubor. Os Pais tentam acalmar a criança mas parece que esta não responde às suas tentativas. Muitas vezes os Pais procuram acordar a criança como se de um pesadelo se tratasse  na esperança  de o episódio passar. No entanto, isso só funciona nos pesadelos. Nos episódios de terrores noturnos não se deve acordar a criança pois isso não a vai sossegar, ela vai apenas ficar confusa e desorientada.

Os Pais podem sentir-se frustados por esta incapacidade de acalmar o seu filho, mas o ideal será mesmo vigiar o episódio de forma a quer a criança não se aleije durante o mesmo e aguardar que o ao fim de alguns minutos a criança volte a dormir sossegada.

Alguns Pais, utilizam como estratégia, colocar a música  com a qual os seus filhos costumam adormecer e por vezes funciona.

Os epidósios podem aumentar de frequência  se existir abuso de álcool ou sedativos (em adultos); privação do sono, ausência de horários regulares para dormir, cansaço, febre, stress emocional ou físico.
Portanto, os Pais cujos filhos apresentam estes sintomas devem levar em consideração estas variáveis e minimizá-las ao máximo.

A frequência dos episódios variam de criança para criança, podendo acontecer em noites seguidas ou com intervalos de dias ou semanas, desaparecendo depois.

Apenas existe a necessidade de procurar ajuda caso a frequência e intensidade dos episódios aumentar  ou caso a criança comece a limitar a sua vida, ex: não querer dormir fora ( nos ecuteiros, casa de amigos, etc), não querer dormir sózinho, etc.

Entender os episódios de terrorres noturnos e que regra geral, estes não causam sofrimento à criança e que têm como causa uma hiperativação do sistema nervoso central (SNC) durante o sono, pode ajudar os Pais a lidar com os mesmos e reduzir a sua ansiedade e frustração.




    Facebook

Recomendamos a Leitura

0 comentários

Formulário de Contacto

Nome

Email *

Mensagem *