Mãe, olháqui!

terça-feira, novembro 11, 2014


A toda a hora a toda a hora. "Mãe, olháqui!" "Mãe, olháqui!". Sim, eu sei que é bom sinal. Extrovertidas, a experimentar e desejosas de partilhar q.b., assim se querem todas as crianças. Mas podiam parar quando eu estou a fazer malha? Não, não podiam, nem podem. #&W#*

Então, vamos com calma. Depois de inúmeras tentativas lá fui contornando a situação. Estão a ver aquela mãe com um bebé pendurado no sling, outro sentado num carrinho e um terceiro de mão dada? Sou eu há uns anos atrás. O que significa que necessariamente arranjei maneira de sobreviver e, espero, com algum estilo.
Primeiro, tenho os projetos de malha para ir fazendo no jardim e os projetos para ir fazendo na sala. Depois, há os projetos a solo, no quarto, para quando os meninos estão na cama. Não é nada de extraordinário para quem adora tricotar. Há sempre mil e uma coisas que estamos a experimentar ao mesmo tempo. Fios novos, padrões originais, agulhas diferentes, enfim.
Segundo, os projetos de malha no exterior estão numa alcofinha, portáteis, resguardados e sempre à mão de semear. Alcofinha mas de asas. Em qualquer sítio abanco, a qualquer hora me levanto. Porque há sempre alguém a trazer mais uma novidade: "Mãe, olháqui!".
Terceiro, as outras estratégias que não têm nada a ver. Costumo sentar-me no meio das brincadeiras, tipo no meio do acontecimento mesmo. Atenua, pelo menos, 40% dos olháquis. Embora traga em certas alturas o inconveniente de alguém me atirar (involuntariamente, quero acreditar) areia, pedrinhas ou folhas secas para dentro da cestinha.
Dentro de casa, ouvir músicas ou contos em conjunto também é uma boa técnica. Obrigada cd's. As músicas do J. Barata Moura continuam a estar no top das nossas preferências e dão pano para mangas. (A sério, experimentem. E se não encontram à venda, têm sempre as bibliotecas ok, não há desculpa para se esquivarem destas delícias.) De ouvido atento e coração cheio os olháquis adormecem e fica a partilha silenciosa dos nossos olhares e risinhos.
Pois é, às vezes sinto-me a desesperar como se me visse privada de mil e uma coisas. Contudo, no fundo sei que são imensos e fortemente indulgentes os prazeres da vida numa família tão grande.
:-)


Nome: Marta Filipe Alexandre
Blogue: http://martafilipealexandre.wordpress.com/
Facebook: https://www.facebook.com/marta.f.alexandre


Recomendamos a Leitura

0 comentários

Formulário de Contacto

Nome

Email *

Mensagem *